Brasil, Brasília 

Estádio Nacional Brasília Mané Garrincha

arrowImagesarrow

Concepção e projeto da cobertura + esplanada, bem como projeto detalhado da esplanada Castro Mello arquitetos com consultoria da gmp e schlaich bergermann und partner
Projeto detalhado da cobertura gmp e schlaich bergermann und partner
Projeto da concha do estádio Castro Mello Arquitetos, São Paulo

Projeto Volkwin Marg e Hubert Nienhoff com Knut Göppert, 2008
Gestão do projeto Martin Glass
Gestão do projeto no Brasil Robert Hormes
Diretor da gmp do Brasil Ralf Amann
Equipe (em ordem alfabética) Ante Bagaric, Holger Betz, Rebecca Bornhauser, Carsten Borucki, Lena Brögger, Martina Maurer-Brusius, Kacarzyna Ciruk, Laura Cruz Lima da Silva, Stefanie Eichelmann, Ruthie Gould, Florian Illenberger, Jochen Köhn, Martin Krebes, Helge Lezius, Tobias Mäscher, Adel Motamedi, Burkhard Pick, Jutta Rentsch Serpa, Lucía Martínez Rodríguez, Maryna Samolyuk, Florian Schwarthoff, Sara Taberner Bonastre

Consórcio com schlaich bergermann und partner, Stuttgart; Castro Mello arquitetos, São Paulo

Projeto e planejamento estrutural da cobertura e esplanada schlaich bergermann und partner – Knut Göppert com Knut Stockhusen e Miriam Sayeg
Equipe (em ordem alfabética) Andreas Bader, Tiago Carvalho, Arnaud Deillon, Uli Dillmann, Stefan Dziewas, Hansmartin Fritz, Alberto Goosen, Hartmut Grauer, Jochen Gugeler, Andreas Hahn, Achim Holl, Hubert Kunz, Christoph Paech, Jana Pavlovic, Bernd Ruhnke, Tilman Schober, Klaus Straub, Cornelia Striegan, Peter Szerzo, Hiroki Tamai, Augusto Tiezzi, Feridun Tomalak, Chih-Bin Tseng, Gerhard Weinrebe, Rüdiger Weitzmann, Andrzej Winkler, Markus Wöhrbach, Kai Zweigart

Planejamento estrutural da concha do estádio Etalp, São Paulo
Instalações técnicas da cobertura (planejamento de conceito e de projeto) b.i.g. Bechtold Ingenieurgesellschaft mbH; mha, São Paulo
Conceito de iluminação da cobertura (planejamento de conceito e de projeto) Conceptlicht, Taunreut; Peter Gaspar, São Paulo; mha, São Paulo,
Assentos aprox. 72.800
Tempo de construção 2010 -2013

 

Photographers:

Marcus Bredt

www.marcusbredt.de

Projetada e planejada por Lúcio Costa e Oscar Niemeyer e construída em um esforço heroico, Brasília é a única cidade fundada no século 20 que foi declarada como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Como um manifesto construído de uma cidade orientada para carros e de clara setorização funcional, Brasília e seus prédios públicos monumentais de marcante plasticidade são um dos ícones da modernidade.

Diante desse contexto e tendo como pano de fundo os preparativos para a Copa do Mundo de 2014, o escritório de arquitetura gmp está elaborando em parceria com Castro Mello Arquitetos, São Paulo, e schlaich bergermann & partner, Stuttgart, o projeto do novo Estádio Nacional de Brasília.

O atual estádio Mané Garrincha foi concluído em 1974, projeto assinado por Ícaro Castro Mello. Agora, seu filho Eduardo Castro Mello irá suprir o estádio com um novo nível inferior, complementando o atual fragmento do nível superior. Os arquitetos da gmp e engenheiros estruturais da schlaich bergermann & partner estão desenvolvendo o projeto da esplanada em torno do estádio, com sua peculiar “floresta de pilares“ e uma cobertura suspensa de duas camadas.

Um fator determinante durante o desenvolvimento do projeto foi a análise minuciosa da escala e do ambiente arquitetônico e urbanístico de Brasília.

A meta do projeto é obter uma solução condizente com a importância da história da arquitetura e que demonstre claras referências às tradições do local, criando simultaneamente uma forma peculiar e contemporânea.

Como o prédio mais público e de maior dimensão da cidade, localizado diretamente no Eixo Monumental do modelo urbanístico básico de Brasília – o “Plano Piloto“ –, a composição foi desenvolvida como uma estrutura monumental que se encaixa de modo adequado e coerente no contexto urbanístico.

Dentro desse conceito, a “cúpula do estádio“ será circundada por uma esplanada. Esta abrigará todos os elementos de acesso e a cobertura se apoiará sobre sua “floresta de pilares“. Esse gesto claro e simples será realçado por um design extremamente minimalista, quase arquetípico dos elementos individuais da construção. O principal material a ser utilizado é o concreto, seguindo inteiramente a cultura moderna da arquitetura brasileira.

A cobertura propriamente dita foi concebida como uma cobertura suspensa concêntrica de geometria circular ideal. Essa estrutura de duas camadas será sustentada por um anel de compressão de concreto. Sua camada superior é composta por diversos elementos translúcidos de cobertura. A camada inferior, por sua vez, assume a forma de uma membrana iluminada por trás.

Uma cobertura interna retrátil e opcional viabiliza o uso do estádio de capacidade de 70.000 espectadores sob quaisquer condições climáticas. Um catálogo abrangente de medidas ecológicas foi elaborado, incluindo desde a integração de módulos fotovoltaicos na cobertura de vidros até a captação de água pluvial, enfatizando assim a meta ambiciosa do Brasil de realizar a primeira Copa do Mundo sustentável.