Alemanha, Berlim 

Estádio Olímpico de Berlim, modificações, reestruturação e cobertura

arrowImagesarrow

Concurso 1998 – 1º lugar
Concepção Volkwin Marg e Hubert Nienhoff
Equipe do projeto Annette Menting, Nicolas Pomränke, Andreas Wosnik
Gerentes da equipe de planejamento Kemal Akay, Uwe Grahl
Gestão geral do projeto Jochen Köhn, Annette Menting (até junho de 2000)
Gerentes do projeto da cobertura Martin Glass, Ivanka Perkovic
Equipe do projeto da cobertura Katja Bernert, Dagmar Weber, Ralf Sieber
Gerente do projeto de acabamento de interiores e da reestruturação Alexander Buchhofer
Equipe do acabamento de interiores e da reestruturação Silvia Schneider, Anja Hassler, Elke Hoffmeister, Sven Schmedes, Igor Markov, Radoslaw Pilarski, Beate Kling, Holger Betz, Elisabeth Menne, Birgit Ricke, Stephanie Hübsch
Estática
Krebs und Kiefer, Darmstadt/Berlim (projeto de engenharia estrutural, recuperação do concreto), Schlaich Bergermann und Partner, Stuttgart (estrutura de membranas e nó fundido)
Engenheiro inspetor Prof. Dr. Eng. M. Specht, Berlim
Análise dos dados de ventos Wacker-Ingenieure, Karlsruhe e Instituto de Aerodinâmica, Aachen
Análise de aços especiais RWTH Aachen (Universidade Técnica de Aachen), Cátedra de Construção em Aço e Ingenieurbüro für Werkstofftechnik (Escritório de Engenheiros para Engenharia de Materiais), Aachen
Construção técnica Schmidt Reuter Partner, Hamburgo
Engenharia de mídias e de comunicações Ingenieurbüro Heimann, Berlim
Projeto luminotécnico Conceptlicht Angerer, Traunreut, Edgar Schlaefle
Acústica Akustik Design Ahnert, Berlim
Cliente Cidade-Estado de Berlim, represent. pela "Senatsverwaltung für Stadtentwicklung, Bauen, Wohnen und Verkehr" (Administração do Parlamento Estadual para Desenvolvimento Urbano, Construções, Moradia e Trânsito)
Concessionária de obras e Coordenador Geral de Obras Walter Bau-AG em conjunto com a empresa DYWIDAG
Tempo de planejamento 1998–2000
Período de construção 2000–2004
Número de assentos aprox. 74.475

 

Photographers:

Fritz Busam

Heiner Leiska

www.leiska.de

Marcus Bredt

www.marcusbredt.de

Para o Estádio Olímpico de Berlim, o prédio central do histórico complexo esportivo dos Jogos Olímpicos de 1936, o conflito de conceitos de design entre as exigências de preservação histórica, a modernização cautelosa e as exigências atuais para um uso multifuncional, incluindo a de um puro estádio de futebol, foi transformado em uma síntese através do projeto da von Gerkan, Marg und Partner.

Neste processo, o estádio é concebido como uma entidade de design uniforme que se relaciona com seu inteiro contexto espacial. O master plan proposto por Werner March em 1936 é preservado como histórico monumento urbanístico. O novo conceito subordina-se à sua estrutura antiga, acentuando ainda mais suas qualidades. Todas as adições necessárias foram colocadas no subsolo fora do estádio para evitar que haja uma intervenção visual na aparência graciosa do estádio.
 
As modificações e a reestruturação abrangem, entre outras, as seguintes áreas:

  • Análise de danos e reestruturação do anel superior
  • Alteração do anel superior existente e construção do anel inferior
  • Rebaixamento do campo de futebol em 2,65 m
  • Construção da cobertura das arquibancadas
  • Modernização de todas as áreas técnicas e de atletismo
  • Construção de camarotes VIP e áreas de restaurantes VIP
  • Construção de áreas externas e subterrâneas de suporte funcional e de circulação, compostas de garagens subterrâneas de dois andares com aprox. 630 vagas, vagas de estacionamento para caminhões e ônibus, túneis de entrada, principais instalações técnicas e de manutenção, um pavilhão de aquecimento com uma pista de 100 m, bem como áreas VIP de acesso ao estádio.

A nova cobertura se destaca de forma consciente da tectônica rígida do estádio histórico através de sua estrutura tranquila e da seleção de materiais das superfícies. Ela não é um anel fechado, mas possui uma abertura diante do portão de maratonas, o eixo urbanístico que se estende da Praça Olímpica até o Campanário, realçando sua estrutura original.
A cobertura foi projetada como uma leve estrutura com viga em balanço de aço estrutural, com uma membrana atuando como revestimento superior e inferior da cobertura. O comprimento total da estrutura de treliças espaciais de tubo de aço tem uma circunferência de aprox. 68 m. Ela permanece visível como principal estrutura de sustentação através da membrana translúcida. Na área interna, a cobertura repousa sobre 20 pilares de aço, que são extremamente delgados (apenas 25 cm de diâmetro). Assim, minimiza-se a interferência visual para os espectadores.

Um design especial de iluminação integra tanto a iluminação do campo de futebol como também o sistema acústico do estádio na borda interior da cobertura. Assim, é possível dispensar as incômodas instalações individuais já existentes, tais como sistemas de iluminação com holofotes e colunas de caixas de som. A nova cobertura do estádio torna-se, por si só, um objeto de iluminação com design bastante singular, sendo facilmente reconhecida na mídia.